Monday, May 07, 2007

Novo Blog sobre Futebol

Olá amigos, visitantes e colaboradores.

Criei um novo blog da minha autoria, sobre o mundo do futebol, o qual espero que vão visitar e que deixem a vossa opinião.
Aqui fica o link:

http://portugalfutebol.blogspot.com

Aproveito para agradecer todo o vosso apoio para manter este blog, o novonanoite, vivo!
Obrigado.

Ass: Skater

José Saramago

Como andamos a estudar José Saramago e o Memorial do Convento, aqui fica uma breve história da vida e obra da sua vida, retirada da Wikipédia.

José Saramago

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

José Saramago (fonte: Periodista digital)
José Saramago (fonte: Periodista digital)


José de Sousa Saramago (Azinhaga, 16 de novembro de 1922) é um escritor português galardoado em 1998 com o Nobel da Literatura. Também ganhou o Prémio Camões, o mais importante prémio literário da língua portuguesa. Nasceu na província do Ribatejo, no dia 16 de novembro, embora o registo oficial apresente o dia 18 como o do seu nascimento.

Saramago, conhecido pelo seu ateísmo, é membro do Partido Comunista Português e foi director do Diário de Notícias. Casado com a espanhola Pilar del Río, Saramago vive actualmente em Lanzarote, nas Ilhas Canárias.

Obra

Dificílimo acto é o de escrever, responsabilidade das maiores.(...)
Basta pensar no extenuante trabalho que será dispor por ordem temporal os acontecimentos, primeiro este, depois aquele, ou, se tal mais convém às necessidades do efeito, o sucesso de hoje posto antes do episódio de ontem, e outras não menos arriscadas acrobacias(...)

Saramago, A Jangada de Pedra, 1986

Saramago é conhecido por utilizar frases e períodos compridos, usando a pontuação de uma maneira não convencional (aparentemente incorrecta aos olhos da maioria). Os diálogos das personagens são inseridos nos próprios parágrafos que os antecedem, de forma que não existem travessões nos seus livros: este tipo de marcação das falas propicia uma forte sensação de fluxo de consciência, a ponto do leitor chegar a confundir-se se um certo diálogo foi real ou apenas um pensamento. Muitas das suas "sentenças" ocupam mais de uma página, usando vírgulas onde a maioria dos escritores usaria pontos finais. Da mesma forma, muitos dos seus parágrafos ocupariam capítulos inteiros de outros autores. Apesar disso o seu estilo não torna a leitura mais difícil, os seus leitores habituam-se facilmente ao seu ritmo próprio.

Estas características tornam o estilo de Saramago único na literatura contemporânea: é considerado por muitos críticos um mestre no tratamento da língua portuguesa. Em 2003, o crítico norte-americano Harold Bloom, em seu livro Genius: A Mosaic of One Hundred Exemplary Creative Minds ("Génio: um mosaico de cem mentes criativas exemplares"), considerou José Saramago "o mais talentoso romancista vivo no mundo actual" (tradução livre de the most gifted novelist alive in the world today), referindo-se a ele como "o Mestre". Declarou ainda que Saramago é "um dos últimos titãs de um género literário que se está desvanecendo".

Obras publicadas

Capa de um livro de Saramago
Capa de um livro de Saramago

Poesia

Os poemas possíveis, 1966
Provavelmente alegria, 1970
O ano de 1993, 1975

Crônica

Deste mundo e do outro, 1971
A bagagem do viajante, 1973
As opiniões que o DL teve, 1974
Os apontamentos, 1976

Viagens

Viagem a Portugal, 1981

Teatro

A noite, 1979
Que farei com este livro?, 1980
A segunda vida de Francisco de Assis, 1987
In Nomine Dei, 1993
Don Giovanni ou O dissoluto absolvido, 2005

Contos

Objecto quase, 1978
Poética dos cinco sentidos - O ouvido, 1979
O conto da ilha desconhecida, 1997

Romance

Terra do pecado, 1947
Manual de pintura e caligrafia, 1977
Levantado do chão, 1980
Memorial do convento, 1982
O ano da morte de Ricardo Reis, 1984
A jangada de pedra, 1986
História do cerco de Lisboa, 1989
O Evangelho segundo Jesus Cristo, 1991
Ensaio sobre a cegueira, 1995 (Prémio Nobel da literatura 1998)
A bagagem do viajante, 1996
Cadernos de Lanzarote, 1997
Todos os nomes, 1997
A caverna, 2001
O homem duplicado, 2002
Ensaio sobre a lucidez, 2004
As intermitências da morte, 2005
As pequenas memórias, 2006

Sunday, April 15, 2007

O Destino...

Há quem diga que o nosso futuro já está escrito...será verdade?ou mentira?
Pois...não sei...
Se já está escrito, o autor podia ter tido cuidado com o que escrevia...lol
É muito difícil aceitar certas coisas sem que ninguém nos explique,porquê?
Era muito mais fácil se existisse uma explicação para tudo o que nos acontece, assim não nos questionaríamos como seriam as coisas se tivessemos tomado atitudes diferentes, se tivesse-mos seguido por um caminho diferente...
Era bem mais fácil aceitar o destino se ele fosse exactamente aquilo que planeamos pra nós, sem desilusões...sem tristezas...sem mágoas...
Era bom, não era??

Wednesday, April 11, 2007

Memorial do Convento


Estamos a estudar o "Memorial do Convento":

Wednesday, January 10, 2007

Para saber...

Arte e Cultura

Pode dizer-se que Portugal é um pequeno museu arquitectónico e artístico. Possui vários testemunhos temporais que marcaram o passado e que fazem o presente.Da arquitectura românica (XI-XIII) são exemplos a Domus Municipalis de Bragança e as sés de Braga, Porto e Coimbra.O gótico está bem patente em edifícios como o Mosteiro (Abadia) de Alcobaça, o Mosteiro da Batalha e a Sé de Évora. Em Portugal surgiu uma variante arquitectónica própria, o Manuelino, derivada do gótico já em fase final, onde estão presentes motivos marinhos e marítimos, fruto das descobertas marítimas portuguesas. Entre os exemplos mais marcantes desta época, merecem referência o Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, e a janela do Convento de Cristo em Tomar.A Casa dos Bicos em Lisboa é um bom exemplo da arquitectura renascentista, mas é na pintura que o Renascimento melhor se identifica com nomes como Grão Vasco e Nuno Gonçalves, o famoso pintor dos painéis de S. Vicente de Fora.O barroco foi também uma época bastante importante no mundo das artes: a torre sineira da Igreja dos Clérigos, de Nicolau Nasoni, e a Igreja de Sta. Clara, ambas no Porto, são dois testemunhos importantes desta corrente artística, assim como o Convento de Mafra é o grande representante do estilo barroco português, o chamado barroco joanino.De estilo neoclássico, destacam-se o Palácio da Bolsa, no Porto, e a Capela de S. João Baptista da Igreja de S. Roque, em Lisboa.O romantismo foi uma época marcada essencialmente pela pintura, com nomes como Tomás da Anunciação e Francisco Augusto Metrass.
O modernismo teve lugar já em finais do século XIX e princípios do século XX, dele fazem parte obras como a Ponte de D. Maria, no Porto, projecto do famoso arquitecto Gustave Eiffel, autor da conhecida Torre Eiffel, em Paris, França.No século XX, encontram-se nomes como: António Areal, cujo trabalho de pintura e escultura se insere no Surrealismo, Abstraccionismo, Neofigurativismo e na Arte Pop; Nadir Afonso, enquadrado no Abstraccionismo; Paula Rego, cujos trabalhos também passaram por várias correntes artísticas, desde o Surrealismo à Arte Pop; Maluda, famosa pela sua pintura paisagística peculiar; Cargaleiro, pintor e ceramista; Siza Vieira, arquitecto de fama internacional, autor do projecto da Casa de Chá da Boa Nova, em Leça da Palmeira, e do pavilhão de Portugal na Expo'98; e por último, embora se pudessem citar muitos mais, Eduardo Souto Moura, arquitecto que alcançou fama internacional com a apresentação e aprovação em concurso de um projecto para um hotel na zona histórica de Salzburgo, na Áustria.
No campo da Literatura, uma das maiores riquezas culturais do país, Portugal percorreu um vasto caminho na ampulheta do tempo. As primeiras manifestações literárias remontam aos séculos XI-XIII e estão reunidas em cancioneiros, de que são exemplo as cantigas (textos em verso) compostas pelo rei D. Dinis. Mais tarde, em pleno renascimento, nasce o grande poeta português, Luís de Camões, autor do poema épico Os Lusíadas e de uma vasta obra lírica, cujo tema do amor se encontra aí sublimado, como é exemplo o poema "Amor é fogo que arde sem se ver". Posteriormente, o barroco é representado por nomes como Rodrigues Lobo (Corte na Aldeia), D. Francisco Manuel de Melo (Carta de Guia de Casados), e Padre António Vieira, famoso pelos seus sermões, como o Sermão de Santo António aos Peixes. No século XVIII, nasce um dos melhores poetas neoclássicos portugueses, Bocage. Depois, já no romantismo (XIX), surgem os grandes nomes da prosa portuguesa tais como: Almeida Garrett, que escreveu a emblemática peça de teatro Frei Luís de Sousa e a obra narrativa Viagens na Minha Terra; e Alexandre Herculano, em cuja obra poética e narrativa (por exemplo, Eurico, o Presbítero) está patente a vertente histórica. Na segunda metade do século XIX, ao realismo/naturalismo está ligado o nome de Eça de Queirós, um grande prosador nacional, autor de Os Maias. Surge, entretanto, o Simbolismo, introduzido em Portugal por Eugénio de Castro, de que se salientam também os nomes de António Nobre e Camilo Pessanha. A par do Simbolismo, aparece, com Teixeira de Pascoaes, um movimento artístico nacionalista, o Saudosismo, que pretende exaltar a "alma nacional". Já no dealbar do século XX, aparecem nomes ligados aos movimentos do Modernismo, do Surrealismo e do Futurismo, entre os quais Fernando Pessoa, considerado um génio da poesia portuguesa, Mário de Sá-Carneiro e Almada-Negreiros.
Em 1940, durante o período conturbado da Segunda Guerra Mundial e em plena época ditatorial, surge uma corrente preocupada com a representação dos problemas sociais e humanos, a que se chamou Neo-Realismo, da qual fazem parte nomes como Alves Redol e Fernando Namora. Portugal está repleto de bons escritores contemporâneos, entre eles Vergílio Ferreira, Agustina Bessa-Luís, Sophia de Mello Breyner, António Lobo Antunes e José Saramago (Prémio Nobel da Literatura, 1998).
Na música, de entre os interesses musicais que se cultivam no país, destaca-se o fado, considerado a canção nacional. A fadista Amália Rodrigues, já falecida, e o guitarrista Carlos Paredes são os expoentes deste género musical.

(infopédia)

Wednesday, November 29, 2006

Cabeça (cerca de 1912), de Santa-Rita Pintor. Após a morte do pintor (1918), a família destruiu grande parte da sua obra, pelo que este é o único quadro seu que resta em estilo cubista.

Fonte: http://www.universal.pt/scripts/hlp/hlp.exe/multimedia?tipo=6&p=187&texto=

Revista ORPHEU


Capa do primeiro número da revista Orpheu, da autoria de José Pacheco. Embora só se editassem dois números, a Orpheu teve um papel fundamental na revolução modernista portuguesa, contando com colaborações de autores como Fernando Pessoa, Mário de Sá-Carneiro e Almada Negreiros.

(História Universal Da Literatura Portuguesa)

Wednesday, October 11, 2006

Fernando Pessoa


Fernando António Nogueira Pessoa (Lisboa, 13 de Junho de 1888 — Lisboa, 30 de Novembro de 1935), mais conhecido como Fernando Pessoa, foi um poeta e escritor português.
É considerado um dos maiores poetas de língua portuguesa tendo seu valor comparado ao de Camões. O crítico literário Harold Bloom considerou-o, ao lado de Pablo Neruda, o mais representativo poeta do século XX. Por ter vivido a maior parte de sua juventude na África do Sul, o inglês também possui destaque em sua vida, com Pessoa traduzindo, escrevendo, trabalhando, estudando e até pensando no idioma. Teve uma vida discreta, em que atuou no jornalismo, na publicidade, no comércio e, principalmente, na literatura, onde se desfez em várias outras personalidades conhecidos como heterónimos . A figura enigmática em que se tornou movimenta grande parte dos estudos sobre sua vida e obra, além de ser o maior autor da heteronímia.
Morre de problemas hepáticos aos 47 anos na mesma cidade onde nascera, tendo sua última frase escrita na língua inglesa: "I know not what tomorrow will bring... ".

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Fernando_Pessoa

Monday, October 09, 2006

De regresso...

Sim, os alunos do Ensino Recorrente (blocos) estão, de novo em acção!

Este 12º ano não vai ser fácil....adivinha-se já muito trabalho!

O pior é que ao chegarmos à escola já vimos cansados: já tivémos um dia de trabalho e de preocupações que, só por si, já nos deixou "abalados"!

Mas...querer é poder...e como nós queremos muito concluir o 12º ano....aqui estamos!

Contamos com o apoio de professores, dos responsáveis pela gestão escolar e também com o apoio de todos quantos nos visitarem e deixarem algumas palavrinhas de incentivo!

Desde já o Nosso MUITO OBRIGADO a TODOS!